Sofre de dores nas costas?

A DOR nas costas só perde para a dor de cabeça em número de pessoas que ela ataca, nos Estados Unidos. É a causa principal da incapacidade prolongada em pessoas com menos de 45 anos, e a terceira entre as com mais de 45. As vítimas gastam cerca de 24 bilhões de dólares por ano na busca de alívio — quatro vezes o que se gastou com o tratamento da AIDS em 1991.

Segundo o Dr. Alf L. Nachemson, pesquisador científico de problemas nas costas, dois bilhões de pacientes, no mundo, sofreram de dores lombares na década passada. “Alguma vez durante a nossa vida ativa, 80% de nós sofrerão algum grau de dor nas costas”, disse ele.


Um ciclo de dor


A dor nas costas não escolhe vítimas. Tanto trabalhadores braçais como de escritório estão sujeitos a sofrer danos nas costas. Homens e mulheres, jovens e idosos, podem cair vítimas dessa dor. Quando a dor é recorrente e renitente, pode afetar o emprego, a renda, a família e o papel da pessoa na família, produzindo também sofrimento emocional. Como?

As pessoas entram num ciclo de dor, diz o livro The Fight Against Pain (A Luta Contra a Dor). A dor física gera ansiedade e depressão que podem, por sua vez, levar a uma dor ainda mais intensa e renitente. Por exemplo, um jovem pai, ou mãe, ou um arrimo de família, talvez tenha de enfrentar a pressão do emprego, da família e de amigos por causa da possível incapacidade resultante de problemas nas costas.

“Acho que o maior problema é a falta de compreensão e empatia da parte da minha família e de meus amigos. As pessoas tendem a minimizar a dor, sem entender o quanto você realmente sofre”, disse Pat, de 35 anos, uma secretária que teve em 1986 a primeira de muitas crises de dor nas costas. “Por não saber quando, ou onde, a dor vai se manifestar, a pessoa tende a não fazer muitos planos. Pode parecer uma pessoa um tanto anti-social, que não aceita convites, que não segura um bebê ao colo, que não ri; tudo isso porque a pessoa sente dores. A dor, se você o permitir, pode controlá-lo.”


Por que as costas doem


São inevitáveis as dores nas costas? O que se pode fazer para aliviá-las ou preveni-las? Quando deve procurar ajuda médica para as costas? Embora constantes dores nas costas possam sinalizar muitas doenças internas, este artigo focalizará duas fontes de dores nas costas: hérnia de disco e espasmos musculares.

A hérnia de disco é uma das causas principais de doenças nas costas entre jovens e adultos de meia-idade. Quando a pessoa chega aos 20 anos, o interior esponjoso dos discos começa a perder a sua elasticidade e umidade, provocando o encolhimento do disco. Mas isso em geral não resulta em dor. Algumas pessoas, contudo, sentem dor intensa quando parte do interior esponjoso cria hérnias, ou protuberâncias, através do anel externo de tecido fibroso.

A revista Fortune disse a respeito dos discos: “Uma vez que se tenham degenerado além de certo ponto, a mais discreta tensão — algo tão trivial como um espirro ou curvar-se para mexer num aparelho de som — pode ser a gota d’água que provoca a dor.”

Os discos servem de amortecedores entre as primeiras 24 vértebras, ou ossos, da coluna. Esses ossos estão empilhados uns sobre os outros e formam um tubo vertical, o canal vertebral, através do qual passa a medula espinhal. Entre cada par de vértebras há um pequeno orifício pelo qual parte do canal um feixe de nervos, chamado de raiz nervosa, um feixe em cada lado. Um disco pode criar hérnia e pressionar um determinado nervo. Esta pressão pode interromper sinais nervosos que transmitem e recebem sensações de outras regiões do corpo.

Um mal muito doloroso, conhecido como dor ciática, por exemplo, pode se instalar se houver pressão sobre as raízes do nervo ciático. Várias delas, que emergem da parte inferior da coluna, formam o nervo ciático. Há uma dessas raízes em cada lado, que descem pela parte posterior de cada coxa até os joelhos, e daí se ramificam em outros nervos. A dor ciática em geral começa na região lombar, de onde se irradia para o quadril e as nádegas, e daí para a parte posterior da coxa, às vezes até a barriga da perna e o pé. Com isso, a pessoa talvez sofra de pé em gota — um mal em que o pé se arrasta porque os músculos da perna não conseguem levantar os dedos dos pés. A vítima talvez também sinta sensações de formigamento, entorpecimento e fraqueza muscular na perna afetada.

Se o disco pressiona as raízes nervosas da cauda equina, um grupo de nervos logo abaixo da cintura que servem à bexiga e aos intestinos, a pessoa pode ter problemas para urinar ou defecar. Pessoas com qualquer um desses sintomas devem consultar imediatamente o médico, pois podem ser sintomas de sérios problemas neurológicos.

Quando estão contraídos e relaxados, os músculos das costas colaboram com os ligamentos em funções de apoio, impedindo que a coluna desabe e permitindo-lhe os movimentos de flexão e torção. Sob tensão, contudo, um músculo fora de forma pode sofrer um espasmo, ficando tão tenso que vira uma massa dura. Acontecendo sem aviso prévio e imobilizando temporariamente a pessoa, episódios de espasmos nas costas podem ser cruciantes. Certa vítima descreve a dor como “uma série de terremotos nas costas”.

Os médicos são unânimes em dizer que os espasmos musculares ocorrem para proteger a pessoa de danos adicionais a músculos enfraquecidos. Um livro da editora Time-Life, The Fit Back (As Costas em Boa Forma), observa: “Por imobilizar as costas, o espasmo obriga você a tomar a melhor medida possível e se deitar. Essa posição não só exerce a pressão mínima sobre as costas mas permite também que o tecido inflamado se recomponha.”

Para evitar tensão nas costas, que muitas vezes produz espasmos, os músculos das costas, do abdômen e das coxas têm de conservar a sua tonicidade e firmeza. Músculos abdominais flácidos, por exemplo, podem criar tensão nas costas porque não dão o apoio adequado e têm menos capacidade de resistência à pressão do peso do corpo sobre a coluna. Se os músculos abdominais estiverem bem condicionados, eles formam um “cinturão muscular” que impede a região lombar de assumir uma curvatura acentuada. A lordose, uma curvatura excessiva na região lombar, pressiona as vértebras dessa região para fora do alinhamento.


Como amenizar a dor


Má postura, obesidade, músculos fracos e estresse são quatro fatores que aumentam a possibilidade de dor na região lombar. Atividades comuns feitas inadequadamente, como o modo de sentar, de ficar em pé ou de levantar pesos, são outros fatores predisponentes.

Há uma relação entre boa postura e fortes músculos abdominais e das costas. A postura correta permite que os músculos funcionem adequadamente, ao passo que o bom tônus muscular é vital para a postura correta. Um alinhamento que siga a natural curva em “S” da coluna é necessário para a boa postura. Esta não significa uma coluna rigidamente ereta.

Se a postura incorreta for corrigida, a dor de origem postural pode ser eliminada, indica o autor Robin McKenzie no livro Treat Your Own Back (Trate Você Mesmo da Sua Coluna), acrescentando: “Com o tempo, contudo, se não for corrigida, a má postura habitual causa mudanças na estrutura das juntas, ocorre um desgaste excessivo, resultando no envelhecimento prematuro das juntas.”

O excesso de peso, especialmente no abdômen, pode também pressionar as costas pois produz um empuxo gravitacional nos músculos que apoiam as costas. Um programa de exercício regular é a chave para se ter costas em boa forma e saudáveis. Mesmo que não se sinta mais dor, o exercício é essencial porque a dor nas costas que desapareceu tende a ressurgir inesperadamente. Recomenda-se uma avaliação médica completa antes de começar um programa de exercícios. O médico pode sugerir os exercícios corretos para o problema das costas da pessoa, ou pode encaminhar o paciente para um fisioterapeuta.

Muitos pesquisadores acreditam que o estresse pode também tornar a pessoa vulnerável a problemas nas costas. O estresse pode provocar espasmos em algumas pessoas porque a tensão não aliviada enrijece os músculos, resultando em dores nas costas. Administrar ou eliminar as fontes de estresse pode ajudar a reduzir o risco de dores nas costas.

Pessoas que passam grande parte do tempo sentadas no serviço, ou que viajam longas distâncias, podem sofrer tensão sobre as costas. A pressão sobre a região dorsal aumenta muito na posição sentada, segundo um estudo sueco. Infelizmente, esse risco aumenta com o uso de cadeiras de escritório com insuficiente apoio para as costas. Pode ser útil levantar-se a intervalos regulares e caminhar por alguns minutos.

Ao levantar objetos pesados, ou mesmo leves, a pessoa não deve usar os músculos das costas. Sugere-se dobrar os joelhos ao levantar pesos do chão, de modo que não recaia sobre os músculos das costas toda a pressão.

Quem trabalha numa posição não natural também é provável candidato a ter problemas nas costas. Trabalhadores em linhas de montagem, enfermeiras, eletricistas, donas-de-casa e lavradores precisam trabalhar longos períodos encurvados para a frente ao exercerem as suas funções. Para minimizar o risco de dano às costas, os fisioterapeutas recomendam descansos regulares ou mudanças de posição. Pessoas que ficam em pé por muito tempo são aconselhadas a usar um banquinho ou outro apoio para os pés e a levantar um pouco um dos pés, para equilibrar a bacia.


A busca de tratamento


Para a maioria dos que têm dores nas costas de origem muscular, os médicos recomendam o tratamento convencional: repouso, uso do calor, massagens, exercícios, e, de início, analgésicos anti-inflamatórios. Sobre medicamentos, o Dr. Mark Brown, da Faculdade de Medicina da Universidade de Miami, faz um alerta. Ele diz que, nos Estados Unidos, o seu uso prolongado é uma das causas principais de dores nas costas, isto é, por causa dos efeitos colaterais dos medicamentos. Deve-se ter o cuidado de não criar tolerância a um determinado medicamento, que poderia resultar em dosagem aumentada, possivelmente causando dependência.

A fisioterapia e sessões de quiropatia podem também oferecer ajuda e alívio para algumas vítimas. A quiropatia responde por cerca de dois terços das consultas médicas por dores nas costas nos Estados Unidos, diz a revista HealthFacts.

A cirurgia pode ser necessária para corrigir problemas ou aliviar a dor relacionada com hérnia de disco. Em geral, porém, os médicos recomendam primeiro um tratamento convencional para a maioria das vítimas. Pessoas a quem se diz que necessitam de uma cirurgia fariam bem em obter um segundo ou um terceiro parecer.

Para milhões de vítimas, dores nas costas constantes, porém suportáveis, fazem parte da vida. Muitos se resignam à dor, mas procuram não permitir que ela interfira no seu cotidiano. Estão cientes dos fatores que induzem a dor e tomam medidas para preveni-la ou contra-atacá-la. Exercitam-se regularmente, mantêm o peso adequado, melhoram a postura e reduzem o estresse na sua vida. Apesar de crises de dores renitentes causadas por um disco herniado e espasmos musculares, Karen, mencionada no início, animadamente segue uma rotina bem atarefada, empregando bastante tempo na atividade de pregação e de ensino das Testemunhas de Jeová. Como Karen, muitas vítimas mantêm uma atitude positiva e se empenham em controlar suas dores nas costas.


Algumas ajudas para evitar dores nas costas


☞ Evite levantar peso num movimento rápido e brusco. Em vez de curvar a coluna, dobre os joelhos.

☞ Peça ajuda para levantar objetos pesados.

☞ Ao carregar volumes, equilibre o peso nos dois lados do corpo. Se carregar um só objeto pesado, faça-o com ambos os braços na frente, junto ao corpo. Se carregar no lado, alterne os lados.

☞ Para viajar, use um carrinho de bagagem portátil e/ou bagagem leve com alças para os ombros.

☞ Ao retirar volumes do porta-malas do carro, coloque-os junto ao corpo antes de suspendê-los.

☞ Ao passar aspirador de pó, use um aparelho de cabo longo. Em vez de curvar-se para passar o aspirador debaixo dos móveis, apoie-se sobre um joelho, usando uma almofadinha de proteção para ele. Se tiver de curvar-se, use, se possível, uma das mãos para se apoiar em algo.

☞ Ao fazer serviços de escritório, alterne o serviço sentado junto à escrivaninha com trabalhar em pé junto a uma superfície de trabalho à altura da cintura.

☞ Dobre os joelhos ao fazer jardinagem, e divida o trabalho em segmentos pequenos. Quando em pé, não se curve.

☞ Faça exercícios regulares para as costas, mesmo que seja apenas por 10 a 15 minutos por dia. Faça exercícios moderados se tiver mais idade.

☞ Ao arrumar camas, dobre um joelho sobre a cama, e escore seu corpo com um dos braços ao se esticar para alcançar o outro lado da cama. Ao esticar o lençol ou ajeitá-lo nas beiradas do colchão, faça-o de joelhos, em ambos os lados.

☞ Ao dirigir por longas distâncias, pare regularmente para descansar. Se o encosto do assento não for confortável, use uma almofada para que as costas tenham um apoio pleno.

☞ Não pratique corrida em chão duro. Use um calçado adequado para exercícios.

☞ Use uma almofada ou outro apoio para as costas ao sentar-se numa poltrona ou num sofá. Levante-se lentamente, usando as pernas para se erguer.

☞ Se trabalha muito tempo sentado, use uma cadeira com encosto adequado. Levante-se de vez em quando para dar alguns passos.

☞ Não fique muito tempo encurvado sobre gavetas de arquivo; sente-se numa cadeira, se possível.

☞ Se tiver de usar sapatos de salto alto durante o dia, traga um par mais confortável para poder alternar, se possível.


FONTE:https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/101994409?q=LORDOSE&p=par

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Faça parte da nossa lista de emails

Nunca perca uma atualização